Fiscalização de Combate às Fraudes Aduaneiras no Despacho Aduaneiro: O que fazer?

capa de artigo 2809
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Desde dezembro de 2020, as regras de fiscalização do canal cinza mudaram, extinguiu-se o PECA e criou-se o PFCFA, unificando os procedimentos do que eram as IN’s 228/2002 e 1.169/2011. A sigla é mais difícil, mas o novo procedimento deveria ser mais simples… Será?

Dentre as principais alterações promovidas com o início da vigência da IN 1.986/2020, destacam-se:

  • Motivação genérica do Procedimento, tratada como “indícios de fraude aduaneira”;
  • Instauração em qualquer etapa do procedimento: antes, durante ou depois do procedimento de despacho aduaneiro, observado o prazo decadencial de cinco anos;
  • Instauração como regra no canal cinza para “apuração dos elementos indiciários de fraude”, e facultada nos canais vermelho e amarelo de parametrização aduaneira, quando deve ser dada ciência prévia ao importador;
  • Retenção de mercadorias possível apenas para as operações cujos indícios de fraude sejam puníveis com a pena de perdimento;
  • Possibilidade de prestação de garantia para liberação das mercadorias retidas independentemente do motivo de instauração;
  • Prazo normal diminuído de 90 para 60 dias, o que representa a diminuição total (considerando a possibilidade de prorrogação) de 180 para 120 dias;
  • Prazo de apuração dos elementos de fraude no curso do despacho aduaneiro definido em 16 dias;
  • Não observância dos prazos pela Fiscalização passou a ter a consequência de liberação das mercadorias retidas e/ou o levantamento da garantia prestada;
  • Previsão da hipótese de apreensão de mercadorias, em que não é possível a liberação mediante garantia, aplicável apenas para os casos em que se verifique de imediato a caracterização de infração punível com a pena de perdimento.

Verifica-se, num contexto geral, que a intenção da IN 1.986/2020 foi de melhor organização e simplificação de procedimentos, sanando brechas das normativas anteriores e trazendo maior previsibilidade, principalmente para os importadores.

O PFCFA começou a viger no início de dezembro de 2020 e agora, passados aproximadamente dez meses, o que se vê na prática é bastante diferente da intenção da normativa.

A Fiscalização vem fazendo uso da possibilidade de investigação de indícios de fraudes aduaneiras no curso do procedimento de despacho aduaneiro de importação como meio de não instaurar o necessário PFCFA. Se sob a perspectiva do Fisco esta situação desburocratiza os atos de fiscalização, do ponto de vista dos importadores o prejuízo é maior, pois as garantias previstas no PFCFA não são oferecidas quando não há a instauração do procedimento. Então, o que fazer?

Pelas regras da IN 1.986, somente se dispensa a instauração do PFCFA no curso do despacho aduaneiro até o momento do desembaraço e desde que não haja retenção das mercadorias. O que se tem visto na prática é a retenção das mercadorias no despacho aduaneiro, a não instauração do Procedimento – o que inviabiliza a prestação de garantia para liberação – e a não observância dos prazos previstos.

Para fugir de uma situação como esta e fazer valer as garantias previstas para o Procedimento de Fiscalização de Combate às Fraudes Aduaneiras, é necessário atentar para o seguinte:

  • Indícios de Infração Punível com a Pena de Perdimento: Se as exigências fiscais possuírem o objetivo de investigar indícios de infrações puníveis com a pena de perdimento – como a interposição fraudulenta, por exemplo – é obrigatória a instauração do PFCFA;
  • Observância do prazo de 16 dias: Durante a conferência aduaneira, a investigação de indícios de fraude sem a instauração do PFCFA não pode ultrapassar 16 dias;
  • Liberação mediante Garantia: Mesmo sem a instauração do PFCFA, é possível solicitar a liberação das mercadorias mediante prestação de garantia.

Se ocorrer Fiscalização de Combate às Fraudes Aduaneiras no curso do despacho aduaneiro sem a instauração do PFCFA e não forem observadas as situações acima, é cabível Mandado de Segurança para afastar as ilegalidades e fazer cumprir o que dispõe a IN nº 1.986/2020.

Se estiver enfrentando uma situação assim, procure um advogado especializado de sua confiança para garantir os seus direitos como importador e evitar maiores prejuízos.

Gilli Basile Advogados permanece à disposição de todos os interessados em outros esclarecimentos.

Por Jaqueline Weiss.

Translate »

Missão

Oferecer trabalhos com alto padrão de qualidade e soluções jurídicas personalizadas para as necessidades específicas de seus clientes e objetivando garantir segurança e oportunizar melhores resultados.

Visão

Permanecer como referência jurídica nas áreas aduaneira e tributária e ser reconhecido pela qualidade, excelência e efetividade dos trabalhos realizados.

Valores

  • Excelência Jurídica
  • Competência Técnica
  • Integridade e Ética
  • Comprometimento
  • Responsabilidade
  • Atendimento Personalizado